Tricologia

É a especialidade que estuda e encontra soluções para diversos distúrbios capilares que alteram a estrutura e o aspecto do cabelo, como queda e quebra dos fios, caspa, infecções e outras doenças.

Alopecia androgenética

A alopecia androgenética é popularmente conhecida como “calvície”. Normalmente o paciente com alopecia androgenética apresenta história familiar de calvície. O indivíduo percebe que o cabelo vai afinando e vão surgindo falhas na região do topo da cabeça e das entradas. É um problema de saúde muito frequente e um dos problemas mais frequentes em meu consultório.

Alopecia areata

Alopecia areata é uma doença autoimune que provoca a queda de cabelo. Diversos fatores estão envolvidos no seu desenvolvimento, como a genética e a participação autoimune. Os fios começam a cair e costumam gerar falhas circulares sem pelos no couro cabeludo. A extensão dessa perda varia, sendo que, na maioria dos casos, poucas regiões são afetadas. Em outros, a perda de cabelo pode ser maior. Há casos raros de alopecia areata total, em que o paciente perde todo o cabelo da cabeça; ou alopecia areata universal, na qual caem os pelos de todo o corpo. A alopecia areata não é contagiosa.

Alopecia fibrosante frontal

A alopecia fibrosante frontal é uma doença que acomete o couro cabeludo, principalmente em mulheres que já passaram pela menopausa. Por esse motivo, muitas atribuem os sintomas à idade, o que acaba por retardar o diagnóstico. As características mais marcantes da doença são a perda progressiva dos cabelos na linha de implantação – o que dá a impressão de aumento da testa – e rarefação dos pelos das sobrancelhas. Alguns pacientes podem se queixar de coceira, ardor e queimação nesses locais. Os pelos do corpo também podem cair. Além disso, existem outros sinais, como o surgimento de pequenas bolinhas na pele do rosto (conhecidas como pápulas faciais) e manchas (que recebem o nome de líquen plano pigmentoso).

Alopecia por tração

A alopecia por tração é a perda de cabelo causada pela tração dos fios. Ela ocorre por tensão prolongada ou repetitiva sobre os folículos pilosos. A tração acaba provocando inflamação leve, descamação, eritema perifolicular e pústulas. A agressão contínua ao folículo piloso pode desencadear uma alopecia cicatricial, na qual não nasce mais cabelo onde ocorre a falha. Atualmente sabe-se que cabelos quimicamente processados têm menor resistência a tração do que os naturais. Acredita-se que alterações na papila dérmica e conversão para a fase telógena devido ao trauma possam se mecanismos patogênicos importantes.

Dermatite seborréica

A dermatite seborreica é uma doença que se apresenta com descamação e eritema (vermelhidão) em algumas áreas da face, como sobrancelhas e cantos do nariz, couro cabeludo e orelhas. É uma doença crônica, com períodos de melhora e piora. A causa não é totalmente conhecida, e a inflamação pode ter origem genética, além de ser desencadeada por agentes externos, como situações de cansaço ou estresse emocional, baixa ou alta temperatura, ingestão de bebida alcoólica, medicamentos, umidade e excesso de oleosidade. A dermatite seborréica, quando se apresenta de forma mais grave em adultos, levanta a suspeita de imunossupressão ou presença de doenças neurológicas, exigindo investigação clínica pormenorizada.

Foliculite decalvante

A foliculite decalvante é uma doença inflamatória crônica do couro cabeludo. A foliculite decalvante pode afetar também a barba, pelos das axilas, região pubiana e pernas. A inflamação prolongada geralmente leva a cicatrizes. A foliculite decalvante é a inflamação da raiz do cabelo associada a perda de cabelo.

Foliculite dissecante

Foliculite dissecante também chamada de celulite dissecante é uma doença rara, inflamatória, crônica, progressiva e recidivante dos folículos pilosos, que acomete predominantemente o couro cabeludo de homens jovens afrodescendentes, entre 18 e 40 anos de idade. Sua origem se dá por múltiplos fatores, embora ainda não tenha sido totalmente esclarecida. O evento desencadeante principal é a desordem da queratinização com subsequente obstrução folicular. O acúmulo de queratina e a ruptura do folículo concorrem para o desencadeamento do processo inflamatório exuberante.

Foliculite queloidiana da nuca

A foliculite queloidiana da nuca é uma doença caracterizada pela formação de pústulas foliculares na nuca que evoluem para lesões queloidianas. As pústulas são lesões que se assemelham a espinhas repletas de pus em seu interior. A foliculite queloidiana da nuca é mais comum nos homens afrodescendentes que apresentam politriquia, ou seja, fusão de folículos na superfície da pele, onde surgem dois ou três pelos. A foliculite queloidiana da nuca afeta a parte de trás da cabeça e a nuca. Começa com pequenas protuberâncias que coçam e se formam ao redor da nuca, ao longo da linha do cabelo.

Líquen plano pilar

O líquen plano pilar é uma doença crônica do couro cabeludo, recorrente e de causa desconhecida, provavelmente autoimune. Trata-se de uma doença benigna, inflamatória, mais comum em mulheres da quarta à sétima década de vida, que provoca uma inflamação no istmo, área do folículo capilar responsável pela renovação do fio. Dessa forma, haverá a substituição do folículo piloso por uma cicatriz, impossibilitando que novos fios sejam formandos naquela região.

Queda de cabelo

Em tricologia chamamos a queda de cabelo de eflúvio. Classificamos o eflúvio em telógeno, anágeno e ele pode ser misto em algumas situações.

Tricoscopia

A tricoscopia é um exame do couro cabeludo realizado através de um dermatoscópio. O dermatoscópio é um aparelho que permite ampliar muitas vezes a visualização. Ele pode ser portátil, acoplado a um smartphone ou a uma tela de computador.